terça-feira, 12 de outubro de 2010

A última carta

Meu querido Amigo

Ontem à noite, quando o meu filho me telefonou de Portugal a anunciar-me o acontecimento, não chorei. Por momentos, fiquei surpreendido. Compreendi depois que nos havíamos despedido já, cinco dias antes. Recorda-se? A febre não o largava e eu estivera algum tempo a refrescar-lhe o rosto com uma toalha embebida em água fresca, renovada. E quando, finalmente, tive de partir, a lágrima que não pude reter e que lhe caiu na fronte ao beijá-lo, foi verdadeiramente o nosso último abraço. Ao chegar a casa, havia dito ao Paulo Miguel: Se na minha ausência acontecer o que receio, gostaria que me representasses na homenagem ao Padrinho... Concluo agora que se tratava de um entendimento premonitório do que iria passar-se. De resto, de há dois anos para cá, todos os dias nos íamos despedindo um pouco mais... Foi por tudo isto que não chorei ontem, compreende?

Queria dizer-lhe que não me esqueci do seu pedido: revi Paris pelo meu Amigo. Na Tour Eiffel, no Sacré-Coeur e, sobretudo, na nova Tour de Montparnasse (que não chegou a conhecer), tenho enchido os olhos da cidade que lhe era tão querida, em sua memória. Como poderia ser doutro modo? Se não fosse o meu Amigo, eu não estaria hoje aqui. Quanta água correu no Tejo desde que nos conhecemos na Chamusca há mais de trinta anos!... Foi bom termo-nos encontrado na Vida. Pena foi que agora, no Fim, estivéssemos tão distantes. Caprichos do destino.

Sinto que um ciclo da minha vida se encerrou ontem. Outro começa hoje: o de o guardar no coração, até ao dia em que for fazer-lhe companhia de novo.

Tomei boa nota da informação que o seu sobrinho José me deu: Secção 34, Número 2818, Cemitério do Lumiar. No próximo mês, levar-lhe-ei flores.

Até sempre, querido Amigo Carmo!
Eduardo

Paris, 20 de Setembro de 1982.


Artigo publicado em Novembro de 1982 na revista Chamusca Ilustrada.

4 comentários:

  1. Caro Amigo
    lembro-me de ter lido esta carta no original. Relida agora foi como se nunca a tivesse lido. Por razões que não têm a ver com a escrita mas com os sentimentos.
    Na altura em que a li era tão jovem que nem sabia que se escreviam cartas de despedida.
    Fez bem regressar á escita. Espero que este blog não viva só do que escreveu e proporcione aos amigos e familiares o prazer da leitura de assuntos mais actuais para as quais sabemos ter uma opinião que merece ser levada em conta.
    Um abraço do seu admirador
    Joaquim Emidio

    ResponderEliminar
  2. Obrigado, Amigo, pelas suas palavras de incentivo.
    Um abraço,
    EdMar

    ResponderEliminar
  3. Comoveste-me...
    (Beleza ímpar :)
    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Compreendo-te.
    Ainda hoje este texto mexe comigo.
    Beijinho

    ResponderEliminar