quarta-feira, 27 de junho de 2012

“ESCÂNDALO num Concurso Universitário” – Testemunho do Professor Dr. Taras GERYA Testemunho do Professor Dr. Paul TACKLEY

Na sequência da denúncia pública feita neste blogue sobre o assunto referido em título – ver aqui – damos hoje a conhecer os testemunhos do Professor Taras Gerya e do Professor Paul Tackley, ambos do prestigiado ETH-Zurich, acerca de Fernando Ornelas Marques, candidato que foi vítima de uma decisão injusta, ilegítima e corrompida por interesses pessoais num concurso para Professor Catedrático no Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Importa esclarecer o seguinte:

(1) No ranking internacional das Universidades no domínio das Ciências Naturais e da Terra, o ETH Zurich ocupa a 10.ª posição a nível mundial e a 3.ª posição a nível europeu (ver aqui);

(2) O Professor Taras Gerya e o Professor Paul Tackley são dois dos maiores especialistas mundiais em modelação numérica em Geodinâmica, tendo publicado cada um mais de 100 artigos nas melhores revistas da especialidade referenciadas no SCI/ISI, incluindo as revistas Nature e Science. Ver abaixo elementos curriculares destes dois cientistas.

* * *

ETH - Zurich
Geophysical Fluid Dynamics
Department of Earth Sciences
Prof. Dr. Taras Gerya

Zurich, 08.09.2011

Recommendation letter for Prof. Fernando Ornelas Marques

Dear Colleagues,

I’m writing this recommendation letter for Prof. Fernando Ornelas Marques in relation to his application for a permanent position at the University of Lisbon.

I know Prof. Marques since 2007 when we started our cooperation on numerical modeling of subduction initiation. Prof. Marques is one of the leading experts in tectonic processes and has very broad expertise ranging from analogue models and experimental rheology to large-scale tectonics and geodynamics. In all these fields he has an impressive number of first-authored peer reviewed publications in high-impact international journals. Prof. Marques has recently pioneered new fruitful research direction by investigating possible scenarios of subduction initiation along Brasilian Atlantic margin inferred from geophysical and geological data combined with numerical modeling. His research in this direction is now receiving growing attention from international scientific community.

In general, Prof. Marques is very knowledgeable scientist with innovative scientific ideas and I strongly recommend him for the above mentioned permanent position.

With my best wishes,

Taras Gerya

* * *

MSc. in Geology, Polytechnic University of Tomsk, Tomsk, USSR, 1984; Ph.D. in Petrology, Moscow State University, Moscow, USSR, 1990; Habilitation in Petrology, Moscow State University, Moscow, Russia, 1999; Habilitation in Geodynamics, ETH-Zurich, Switzerland, 2008; Junior Researcher, Institute of Geology and Geophysics USSR Academy of Sciences, Novosibirsk, USSR, 1984-1987; Ph.D. student, Institute of Experimental Mineralogy Russian Academy of Sciences, Chernogolovka, Moscow dist., Russia, 1987-1990; Research Associate, Senior Researcher of the Laboratory of Metamorphism, Institute of Experimental Mineralogy Russian Academy of Sciences, Chernogolovka, Moscow dist., Russia, 1990-2000; Associate Professor, Moscow State University, Russia, 1990--‐1999; Alexander von Humboldt Foundation fellow, Guest Scientist, Ruhr-University of Bochum, Bochum, Germany, 2000-2004; Oberassitent (Senior research scientist, Lecturer) Geological Institute, ETH-Zurich, Zurich, Switzerland, 2004‐2005; Oberassitent (Senior research scientist, Lecturer, permanent Research Faculty since 2007) Geophysical Institute, ETH-Zurich, Zurich, Switzerland, 2005-2008; Privatdozent, Geophysical Institute, ETH-Zurich, Zurich, Switzerland, 2008-2010.

Professor, Geophysical Institute, ETH-Zurich, 2010 - present.

Autor do best-seller Numerical Geodynamic Modelling”, 2009, Cambridge University Press, 345 pp.

T.V. Gerya é um dos maiores especialistas mundiais em modelação numérica em Geodinâmica, tendo publicado mais de 100 artigos nas melhores revistas da especialidade referenciadas no SCI/ISI, incluindo as revistas Nature e Science.


ETH - Zurich
Institute of Geophysics
Department of Earth Sciences
Prof. Dr. Paul J. Tackley

21 September 2011

To Whom It May Concern:

It gives me pleasure to recommend Dr. Fernando Marques for promotion to Prof. Catedrático. I met Dr. Marques during one of his visits to ETH and have become quite familiar with his research.

Dr. Marques has a deep knowledge of geology and tectonics and an excellent publication record. Particularly impressive, and unusual in the field, is his ability to use multiple approaches to understand observations - in addition to the usual geological methods he performs analogue experiments, numerical modelling, and laboratory experiments on real geological materials.

Dr. Marques has strong geological skills, combining detailed field observations of large- and small-scale structures with mineralogical and geochronological analyses, magnetic measurements, etc. In several papers has applied such techniques to piece together the evolution of several regions in western Iberia, combining observations of several types and at many scales to obtain a 'big picture' view of a region's history.

One focus of Dr. Marques' work, resulting in many papers, is on rigid inclusions in a shear flow, which are often observed in natural shear zones. The interest in this research is clear: it contains his most highly-cited paper and 4 of his 10 most cited. This body of work illustrates perfectly his ability to use multiple investigative techniques: several papers use analogue modelling, several use numerical experiments, but a couple also use analytical solutions, one uses torsion experiments on rock, and one applies the knowledge to detailed field observations in Norway.

Another focus is to study geological features occurring during lithospheric shortening using analogue experiments. These include the initiation and propagation of thrusts, the influence of topography on thrust or fold-and-thrust belts, the inversion of normal faults (into reverse faults) and the influence of a thin elastic core. Again, these demonstrate Dr. Marques' ability to identify analogue experimental studies that give a deep insight into interpreting real geological observations.

Dr. Marques' publication rate has accelerated though the last ten years, and the growing appreciation of his research by the scientific community is indicated by the rapid rise in citation rate, with almost 70 citations so far this year. His high standing in the international community is further indicated by him being chosen as the organiser of the 2010 GeoMod conference, by his Editorial Board membership and top reviewer award. Dr. Marques is a good collaborator, with most of his papers being collaborative. He has mentored several PhD and MSc students and one postdoc and raised competitive research funding.

Because of these points I wholeheartedly support the promotion of Dr. Marques.

Yours sincerely,

Paul J. Tackley

* * *

Professor of Geophysical Fluid Dynamics, Department of Earth Sciences, ETH-Zurich. Education: Ph.D., Geophysics June 1994; California Institute of Technology (CALTECH), Pasadena, CA, USA; M.A. Natural Sciences (Physics major), 1993, Trinity College, University of Cambridge, England; M.Sc. Geophysics, 1991, CALTECH, Pasadena, CA, USA; B.A. Natural Sciences (Physics major), 1987, 1st Class Honors, Trinity College, University of Cambridge, England. Positions: Professor ETH-Zurich, Switzerland 2005-present; Professor University of California, Los Angeles, CA, USA, 2003-2005; Associate Professor, University of California, Los Angeles, CA, USA, 1999-2003; Assistant Professor, University of California, Los Angeles, CA, USA, 1994-1999; Research Assistant, CALTECH, Pasadena, CA, USA, 1990-1994; Research & Development Engineer, Thorn EMI Electronics Ltd., Defence Systems Division, Feltham, Middlesex, U.K., 1987-1989.

President of the Institute of Geophysics, ETH-Zurich.

Co-autor do livro “Computational Methods for Geodynamics”, com Alik Ismail‐Zadeh, 2010, Cambridge University Press, 332pp.

Editor nas revistas (i) Geochemistry, Geophysics, Geosystems, (ii) Geophysical Astrophysical Fluid Dynamics, e (iii) Journal of Geophysical Research.

P. Tackley é um dos maiores especialistas mundiais em modelação numérica em Geodinâmica, tendo publicado mais de 100 artigos nas melhores revistas da especialidade referenciadas no SCI/ISI, incluindo nas revistas Nature e Science. Conta com mais de 2300 citações.

domingo, 24 de junho de 2012

Ainda o "Escândalo num concurso universitário" Testemunho do Professor Jean-Pierre Burg

Na sequência da denúncia pública feita neste blogue sobre o assunto em título – ver aqui – justifica-se dar a conhecer o testemunho do Professor Jean-Pierre Burg (ETH Zürich) acerca de Fernando Ornelas Marques, vítima de uma decisão injusta, ilegítima e corrompida por interesses pessoais num concurso para Professor Catedrático no Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Importa referir que: (1) no ranking internacional das Universidades, no domínio das Ciências Naturais e da Terra, o ETH Zürich ocupa a 3.ª posição a nível europeu e a 10.ª posição a nível mundial (ver aqui); (2) Jean-Pierre Burg é um dos maiores especialistas mundiais em geodinâmica de cadeias de montanhas (como os Himalaias), tendo publicado cerca de 190 artigos nas melhores revistas da especialidade referenciadas no SCI/ISI, incluindo as revistas Nature e Science.

* * *
University of Zurich
Institute of Geology
Prof. Dr. Jean-Pierre Burg

Friday, 16 September 2011

To whom it may concern
Recommendation for Fernando Ornelas Marques for a full Professorship
I am writing to express my sincere and strong support for the promotion of Dr. Fernando Ornelas Marques to a full Professorship in Geology. I became acquainted with Fernando when he presented first results of his graduate studies at the European Geoscience Union meeting in 1987. Since then, I have followed his work and met him on many occasions, in particular at international scientific meetings and during the sabbatical period he spent from April 2007 to May 2008 at the ETH-Zurich, as a guest Professor in the research/teaching group I am leading. Therefore, I feel competent to appreciate his qualities as a researcher and a leader in structural geology.
The geosciences are evolving from a descriptive discipline to an increasingly quantitative science, an inexorable trend that must be accepted if geosciences are to remain a viable component of academia. Fernando’s prolific and rigorous work has essentially defined this trend over the last decade in structural geology (mesoscopic and microscopic structures) and tectonics (very large structures). A major and the most widely cited component of his work concerns the development of analogue and numerical models and tools for the interpretation and analysis of deformation structures as the mechanical response to stress and flow fields in rocks. Rocks contain a wealth of information about their physicochemical environments of formation, but the mechanical information was largely untapped because structural geologists used geometric methodologies established decades ago when the quality of mechanic and rheological models was limited. Fernando Ornelas Marques’ work in this regard has largely contributed in changing the face of modern structural geology and few geoscientists world-wide have such a profound influence on their fields of specialization, in particular in southern Europe. As an evident consequence of his still blossoming work, he is involved in numerous collaborative efforts that apply his structural and tectonic methodology to solve scientific problems at different scales. The fruits of these efforts have further enhanced his international standing. The physical (rheological) properties of rocks exert first order controls on their deformation and his work has made it possible to assess these effects in the context of practical models for the average behaviour of rocks in geodynamic systems, from basin evolution in the upper crust to shear zone distribution and buckling processes in lower crustal levels. Such studies are essential for understanding many geodynamic and geophysical processes, a fact that is now recognized by the broader scientific community.
The success of Fernando Ornelas Marques research efforts refers to his certainty that structures understood under a mechanical perspective contain keys to forces and stresses that produced them. He is among the first persons to have recognized the importance of mechanical concepts to be applied to structural geology and tectonics and such a fundamental formulation has already, and will undeniably have enormous impact on the field of tectonics and geodynamics in the future. Importantly, and at variance to many modellers, Fernando is convinced that the modelling he can perform is useful only if it validates or disproves interpretation of actual structures. Consequently, he involves his students in the study of geological problems, at outcrop or larger scale, before initiating them to the mechanical solution they can derive to solve the problem. This is particularly true for his master students who go in the field to make detailed measurements on folds before providing a mechanical solution with emphasis on rheological contrasts between sandstones and shales in turbiditic sequences. I was very pleased to be able collaborating with Fernando on this topic, and I was always strucked by his rapid and astute observations, which he was happy to share to develop further discussion and generate new ideas. This example is but one of several that demonstrate Fernando’s capacity to grasp the essential aspects of geological problems and to solve them through creative thought. This commitment in sharing scientific knowledge and discoveries is manifested by the impressive succession of authoritative papers that have had a real influence on the development of modern, process-oriented structural geology.
The success of Fernando’s research efforts in structural geology make it easy to overlook his many other scientific contributions on topics as diverse as the application of rock magnetism, metamorphism and regional interpretations of various orogenic systems. His research covers a successful combination of structural geology, petrology and geophysics. Thanks to these significant contributions, and to significant and attractive presentations at various international meetings, he is becoming a well-respected researcher with a growing international renown. This versatility in research is unusual and demonstrates the breadth of his knowledge as well as the insight he has in the Earth Sciences as a whole. Again, a fundamental assumption in Fernando’s approach is that structures understood under a mechanical perspective contain keys to forces and stresses that produced them.
Fernando Ornelas Marques was interested in staying in Zurich to deepen his knowledge of physical experiments on rocks, and therefore strengthen his knowledge on rock rheology. I observed his steady progress while he was working in the projects we had, in particular on salt behaviour. In his first batch of experiments he performed independently and remarkably well at each step of the experimental modus operandi, from the preparation of the starting material to the post-experimental analysis. This procedure made him expert in several experimental and analytical techniques, which involve cutting edge technology and require extreme precision in the work. His pioneering and substantial results find extensive applications for our understanding of the physical and chemical behaviour of the deep crust, and that of salt in thrust and diapir systems. He established the rheology and phase relations of the deforming material in the light of mechanical data measured during his experiments, and coupled these new data with evolving microstructures. His results are published and are still being published in authoritative international journals such as JGR, Tectonophysics, and others.
Fernando Ornelas Marques firm commitment to education should also be recognized. Since he is teaching in Lisbon, he has supervised a notable number of undergraduate (many) and graduate (3) students, along with several PhD (7) and pot-Docs who he financed after successful applications to research and industrial institutions. This supervision work demonstrates that he not only is motivated but also is motivating other, younger researchers whose results are commonly leading to publication. Several of these students and visiting scientists have gone on to become accomplished researchers. I have no doubt that the roots of this success are to be found in the tradition of imaginative work instilled by Fernando. He has developed a structural-geology profile which is recognized as one of the top in this discipline world-wide. His international recognition is clearly expressed in his participation to the board of premier journals such as Tectonophysics and Journal of Structural Geology.
His teaching at undergraduate and graduate levels is exemplary. His courses are based on practical exercises that accompany learners in their progress on how to handle geological problems. In addition to the lectures, Fernando Ornelas Marques is intensively involved in field courses and excursions, and he is a very precious and efficient collaborator in organising this “applied” teaching that remains the basis of our discipline. He enjoys that part of the work at least as much as the modelling part, and spends a lot of energy at convincing students that observation is as important as deduction in modern sciences.
Fernando Ornelas Marques’ activity has included the organisation of several seminars and international meetings, in particular the well-attended GEOMOD at Lisbon, in 2010. This important endeavour demonstrates that he is eager to stimulate the scientific life of his community, and reflects some scientific enthusiasm, vital to the dynamism of any group he should lead.
Fernando is a careful listener and a gentle, but firm, critic. He is a very active and determined scientist. He is a hard-working, diverse and innovative scientist with original ideas and has demonstrated lucid insight into physical processes of the Earth. A consequence of Fernando personality is that he does not feel any need to prove that he is smarter or more important than other people; therefore, his motivation, scientific curiosity, is pure. He fully applies himself to any task he undertakes. He is an independent and quite reliable researcher to whom I was happy to leave some responsibility in managing the rock deformation lab.
I hope this letter gives some feeling for the tremendous service that Fernando Ornelas Marques has done for structural geology in particular, and the geosciences as a whole. In conclusion, I most heartily endorse his nomination as “Professor Catedrático, do Departamento de Geologia” at Lisbon.
Jean-Pierre BURG
* * *
Jean-Pierre Burg has been full Professor (ETH/University of Zurich) at the Institute of Geology of the ETH Zurich since September 1, 1993.
Prof. Burg was born on April 25, 1953 in Meknès, Morocco and is of French nationality. He received a scholarship from the British Council enabling him to study as a graduate student at the Imperial College in London from October 1975 to July 1976. From 1979 to 1983 he did scientific research at the French CNRS. His dissertation was honored with great distinction by the USTL Montpellier in May 1983. In November 1983 he assumed a post as research fellow at Melbourne University. In March 1986 he was appointed Research Director at the CNRS Center for Geology and Geophysics in Montpellier, a post he held until he was called to the ETH.
Prof. Burg has many editorial responsibilities. He has been chief editor of "Geodinamica Acta" and "Geologie de la France" and is now one of the Chief Editors of "TECTONOPHYSICS". His dedication merited the Australian Society of Educational Technology Award in 1986. He was awarded the Prix Henri Becquerel from the Academy of Sciences in Paris on 26 November 1990. On the decision of the Sofia University Council, Prof. Burg received the title Doctor honoris causa on 22 May 1995; at that time he was also given the "The Blue Ribbon" from Sofia University.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Viagem ao Mundo da Luz

Pergunta-se a uma criança: O que é um arco-íris? Como aparece? E a surpreendente resposta poderá ser: Eu acho que é um senhor com um pincel nas costas e sobe um escadote bem alto… atira-se cá para baixo e vai fazendo riscas no céu pelo caminho… ou então: As pessoas que já foram para as nuvens ficam lá em cima a segurar o arco-íris e encaixam o arco-íris no céu.

Perante estas imagens o Educador interroga-se, por segundos, sobre o direito de as objectivar enveredando por um caminho experimental em busca de respostas mais rigorosas. E o verdadeiro desafio passa a ser este: Como desenvolver um projecto de educação científica sem perder a riqueza da leitura divergente, poética e artística dos fenómenos estudados.

Foi assim que, para a planificação e desenvolvimento do Projecto “Viagem ao Mundo da Luz”, desenvolvido no Jardim de Infância do Vimeiro ― que mereceu o primeiro lugar ex-aequo na 8.ª edição do Prémio da Fundação Ilídio Pinho “Ciência na Escola”, em 2009/2010 subordinado ao tema Artes da Física ― resolvi rodear-me de um assessor científico, investigador em Física, Eduardo Martinho, e de dois assessores para as artes plásticas: os pintores Paulo Quintas e Marta Soares (pai e mãe de duas crianças do grupo).

O Projecto “Viagem ao Mundo da Luz” procurou pesquisar fenómenos da Física em três domínios essenciais: refracção da luz, reflexão da luz e sombra. O percurso passou pelo levantamento de ideias prévias sobre fenómenos como o “arco-íris” ou outros e também pela exploração plástica dos temas. As sessões experimentais realizadas dentro e fora da sala, com luz natural e artificial, em torno de fenómenos como a decomposição da luz no seu espectro de cores, a exploração de sombras e de reflexos, originaram múltiplos registos gráficos e verbais, discussões muito interessantes (registadas ao longo do projecto) e muitas descobertas progressivamente mais concretas e científicas.


Além de uma sessão orientada pelo Físico colaborador do Projecto, com recurso a luz laser, sobre características da propagação da luz, criaram-se situações nos seguintes domínios:

Refracção da luz
Com a utilização de tabuleiros, frascos e tinas de vidro, cristais, objectos diversos em vidro facetado, réguas transparentes, água, espelhos, um prisma óptico e uma fonte de luz natural ou artificial, criámos dezenas de arco-íris. As descobertas foram registadas…

Fizemos um arco-íris com uma régua na rua e era muito comprido e fininho!

Se o sol passa nas gotas da chuva o arco-íris fica redondo, se passa na régua fica direitinho.

Se as gotas fossem quadradas fazia um arco-íris quadrado! Era o arco-íris do Elmer

Aos poucos as conclusões foram-se encaminhando para a resposta científica:

A luz parece branca mas quando passa por coisas tem as cores misturadas

A fantástica descoberta da reflexão múltipla da imagem com a utilização de dois espelhos de dança, originou as teorias mais diversas:

Os espelhos fazem fotocópias nossas. Se nós mexermos um dedo… todos no espelho mexem um dedo!

Não são fotocópias. São reflexos! Um reflexo é o que no espelho está igual a nós! Dois espelhos fazem muitos reflexos!

Se estiverem os espelhos assim à frente um do outro é como clones! Um clone é repetir uma coisa que existe!

A exploração dos reflexos continuou na sala, às escuras, com o foco do projector de diapositivos a incidir em espelhos mandados recortar com diferentes formas geométricas e figurativas. Com papel celofane íamos alterando a cor do foco e, logo, a cor do reflexo. No exterior, com luz natural, também experimentámos realizar construções tridimensionais sobre placas de espelho, o que levou o grupo à descoberta de simetrias.

A sombra foi explorada em sala escura, com um foco de luz e uma superfície de parede branca. Grupos de crianças construíam cenografias tridimensionais de grandes dimensões com materiais diversos, alguns opacos (blocos e tubos de cartão) e outros transparentes e semitransparentes coloridos com papel celofane e manga de plástico. Também no exterior, com luz do Sol, verificámos e fotografámos as sombras e os reflexos de vários objectos de jogo e utensílios domésticos. A exploração de um telúrio permitiu-lhes também entender que a noite é uma enorme sombra…

Por fim as crianças tentavam destrinçar reflexo e sombra e surgiram ideias muito originais:

Também faz reflexo na água! Um reflexo somos nós feitos de água

Uma sombra é o nosso reflexo sem ser à frente do espelho!

A sombra é preta… e o reflexo é mesmo a nossa forma de corpo e de cara.

A sombra não tem olhos!

Construção de materiais
A construção e exploração de materiais, como discos de Newton, espectroscópio, caleidoscópios e relógios de sol, foram proporcionando aprendizagens novas sobre os domínios pesquisados. Muito bem sucedida foi a sessão de construção de caleidoscópios, orientada pelos pais de uma criança. Construídos a partir de tubos das obras e espelhos rectangulares colocados no seu interior, proporcionaram experiências visuais fantásticas dentro e fora da sala e, de novo, conclusões muito curiosas:

Vê-se tudo aos triângulos

há três espelhos e quando se olha parecem muitas coisas.


Existiu um constante cuidado no permear o Projecto com imagens artísticas que fizessem sentido como leitura divergente dos domínios abordados. No domínio da refracção, exploraram-se pinturas de Hilma Af Klint, Hundertwasser e algumas obras do escultor britânico de Land Art Andy Golsworthy; no contexto da reflexão recorreu-se à pintura de Dali, Monet, Caspar David Friedrich e Fernand Khnopff;  já quanto às sombras descobrimos as instalações em materiais e desperdícios industriais da dupla britânica Tim Noble e Sue Webster.

Também a literatura para a infância enriqueceu o projecto com uma leitura mais lúdica e fantasiosa dos domínios explorados. Aqui recorreu-se a obras de diferentes origens e línguas (Portugal, Coreia, Inglaterra, América…). Livros tão belos como “Espelho” de Suzy Lee, fantasiosos como “The rainbow goblins” de Ul de Rico ou divertidos como ”Nothing sticks like a shadow” de Ann Tompert perdurarão, seguramente, na memória das crianças.

Para terminar o Projecto montou-se, no final do ano, no Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro, uma exposição que incluiu todo o material construído e explorado: fotografias, registos gráficos, trabalhos de expressão plástica, livros utilizados e filmagens das sessões experimentais.

Numa avaliação feita com as famílias constatou-se que as crianças:
·         Revelaram ter adquirido conhecimentos científicos sobre questões relacionadas com reflexão da luz, refracção da luz e sombra.
·         Passaram a demonstrar um interesse espontâneo por estes temas no seu dia-a-dia, detectando de forma regular estes fenómenos no seu meio ambiente e comentando-os no Jardim e em família.
·         Começaram a procurar criar em casa situações experimentais para mostrar à família alguns fenómenos relacionados com refracção da luz, reflexo e sombra.
·         Passaram a revelar mais curiosidade por fenómenos físicos em geral tentando planear estratégias para os testarem.

A semente está lançada…E como, em Educação, onde um caminho acaba, outro começa, novas aventuras nos esperam, seguramente, no mundo da Ciência.

Educadora Helena Martinho
Texto publicado na revista Cadernos de Educação de Infância n.º 95 (Janeiro/Abril.2012)
da Associação de Profissionais de Educação de Infância (APEI), que corresponde a uma apresentação efectuada no último Congresso da APEI.

NOTA: Neste número da revista da APEI encontra-se um artigo do Prof. Carlos Fiolhais http://dererummundi.blogspot.pt/2012/06/de-pequenino-e-que-se-torce-o-destino.html 
que é o desenvolvimento de uma comunicação apresentada também no referido congresso.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Tópicos da viagem a Bruxelas…

… aonde estivemos com os netos Hugo e Inês durante duas semanas.

Há trabalhos públicos um pouco por toda a cidade…

… mas terminaram finalmente os trabalhos na igreja de São Bonifácio

O Hugo (10 anos) gosta de História e de jogos de estratégia, brinca às guerras
com soldadinhos de chumbo e nos dias 16 e 17 foi com o Pai assistir à
reconstituição da Batalha de Waterloo (a fotografia foi tirada pelo Hugo;
em baixo, à esquerda, vê-se Napoleão no seu cavalo branco)

A Inês (7,5 anos) gosta de movimento (ginástica, ballet, natação)
e… piano, quando chega a hora de acalmar

A tartaruga Maria fica num desassossego quando estamos por perto:
está sempre pronta para comer mais uns camarões

Fomos a uma das lojas de Le Pain Quotidien
e à loja de Pierre Marcolini no Grand-Sablon

No regresso a Lisboa comprámos chocolates 
no aeroporto de Bruxelas para o neto João Guilherme...

… e tivemos por companhia um animado grupo da Costa do Marfim
com colorido vestuário etiquetado "Église Catholique".

terça-feira, 5 de junho de 2012

Vou ali a Bruxelas e já volto...

... mas levo na bagagem a indignação que me provocou o escândalo num concurso universitário de que foi vítima o candidato Fernando Ornelas Marques.
(ver EscândaloEscândalo ! e Escândalo !! )

domingo, 3 de junho de 2012

Uma ida ao Cartaxo

A Beatriz e o António Gomes, um casal amigo que mora perto de nós,  já nos tinham convidado para irmos passar um dia com eles no Cartaxo. Aconteceu agora, no passado dia 29 de Maio. A casa, que se situa nos arrabaldes próximos da cidade, é um refúgio muito agradável para quem quer fugir do bulício da capital. Almoçámos no restaurante A Cernelha (ou não estivéssemos nós em pleno Ribatejo!) um delicioso bacalhau à Gomes Sá regado com um bom tinto da região. Seguiu-se uma visita guiada pelos arredores, com o António a dar-nos explicações pormenorizadas do que íamos vendo: a casa do João Baião aqui, a toca dos Raposos ali, aquele casal tem tantos hectares… No regresso a casa, ficámos de conversa até à hora do chá. Foi nessa altura que aproveitei para tirar umas fotografias. Os meus olhos ficaram presos num manto de papoilas, no meio das árvores de fruto. Regressámos a Lisboa pelas 20 horas, depois de um dia bem passado no campo.

sexta-feira, 1 de junho de 2012

No seu Dia Mundial, crianças "lêem" uma imagem

Um senhor está a ver um camião em cima de livros. O outro está a ver a sua sombra no muro. (Laura, 5 anos)

Há um senhor no chão. O outro está em cima de livros a espreitar para ver o céu… O de baixo está a tentar espreitar mas não consegue porque não está em cima de livros. (Pedro M., 5 anos)
Este homem encontrou estes livros todos e fez de escada e subiu… para ver coisas(Afonso, 5 anos)
Os homens estão a ver se conseguem subir para saltar. O que pôs muitos livros no chão conseguiu subir. E o outro não conseguiu… Estava à espera para subir(Inês, 5 anos)
Este senhor está a vigiar ladrões. Subiu aos livros porque se calhar não havia cadeiras. O outro está cá em baixo mas se calhar tem visão raio-X e pode ver pelas paredes! (Noé, 5 anos)
Um senhor está a subir os livros e o outro senhor está a espalmar a cara no muro. Ele queria ir para o outro lado só que não consegue sem os livros! (Tomás, 5 anos)
Este senhor estava a tentar abrir uma porta. O outro pôs-se em cima dos livros e está a tentar arranjar o telhado (Pedro T., 4 anos)
Um senhor está a pintar a parede em cima dos livros e o outro está a ver… (Rita T., 4 anos)
Está um senhor em cima dos livros. Está a pintar a parede e o outro está a ver… (Rodrigo, 4 anos)
Um homem subiu livros para ver o que estava a acontecer no outro lado. O outro estava a tentar subir a parede e não conseguia… não tinha livros! (Simão, 4 anos)
Ele foi lá para cima com livros. O outro está a tentar subir mas não consegue porque não tem livros. (Gabriel, 4 anos)
O senhor está a atirar livros ali para trás e o outro está a bater naquela coisa cinzenta… (Gabriela, 4 anos)
Este senhor está aqui e está a fazer sombra. Ele subiu para os livros porque queria ver as nuvens. O outro está no chão e não consegue ver a sua sombra. (Salomé, 3 anos)
Um homem está a ver uma parede. E o outro pôs os livros e fez uma escada. Ele queria espreitar o céu e os pássaros que estavam a voar… a voar… a voar(Alexandre, 3 anos)
Depoimentos recolhidos pela Educadora Helena Martinho
junto dos meninos do Jardim de Infância do Vimeiro

É um senhor encostado à parede que não gostava de ler e outro em cima de livros, porque gostava muito de ler. (Mariana Ramos, 7 anos)
Está um homem a segurar um jornal em cima de muitos livros e está a espreitar por cima do muro. (Nuno Miguel, 6 anos)
Parece que ele está a espreitar para o outro lado do muro… para a fantasia… para a imaginação. (João Pedro, 7 anos)
Parece que um senhor está a espreitar para a casa de outra pessoa. (Sofia, 6 anos)
Um dos senhores fez um montão de livros para conseguir encontrar um livro lá em cima. (Joana Almeida, 6 anos)
Um homem está a subir um monte de livros e está a ver a rua. (André, 7 anos)
Um senhor está em cima de livros porque quer pôr livros lá em cima. (Mariana Gomes, 6 anos)
Um homem encostado a uma parede e outro em cima de um monte de livros. (Miguel, 7 anos)
Um senhor espreita para o outro lado do muro e está a subir com a ajuda dos livros. (Nuno Marques, 6 anos)
Um senhor leu muitos livros e o outro não leu nenhuns. Os livros fazem aprender. (Anastasyia, 7 anos)
Um homem está encostado a uma parede e outro está em cima de livros para ver as casas do outro lado. (Edna, 6 anos)
Um homem está em cima de livros a pintar a parede de azul. (Francisco, 7 anos)
Depoimentos recolhidos pela Professora Zami
junto de meninos da escola EB1 de Marquiteira

Imagem do blogue A Educação do meu Umbigo